Notícia

Ministério da Saúde pretende imunizar 3,3 milhões em sete municípios baianos

Fev 16
  2018

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, confirmou nesta quinta-feira, 15, o início da campanha de vacinação fracionada contra a febre amarela em oito municípios da Bahia para a próxima segunda-feira, 19. Serão contemplados Camaçari, Candeal, Itaparica, Lauro de Freitas, Mata de São João, Salvador, São Francisco do Conde e Vera Cruz, com objetivo de imunizar 3,3 milhões de pessoas.

“Estamos fazendo um apelo à população que compareça às unidades de saúde. A campanha está pronta, as vacinas e as seringas estão entregues, nossos agentes estão treinados para a ação”, destacou o ministro, que quer cobertura de 90% nestas áreas para inibir a infestação da doença.

Barros informou que R$ 8,2 milhões foram liberados ao estado em janeiro. Ao todo, o ministério repassou R$ 54 milhões para os estados da Bahia, São Paulo e Rio de Janeiro. Estes dois últimos, que estão em campanha desde janeiro, vacinaram apenas 19% do público-alvo.

De 1º de julho de 2017 a 15 de fevereiro deste ano, foram confirmados 407 casos de febre amarela, 183 em São Paulo, 157 em Minas Gerais, 68 no Rio de Janeiro e um no Distrito Federal. Foram registrados 44 óbitos em Minas Gerais, 46 em São Paulo, 27 no Rio de Janeiro e um no Distrito Federal. No mesmo período do ano passado, foram 532 casos e 166 óbitos confirmados.

Tigre asiático

O Instituto Evandro Chagas, vinculado ao Ministério da Saúde, detectou o vírus da febre amarela no mosquito Aedes albopictus, conhecido como tigre asiático. Estudos estão sendo realizados para verificar se ele também é transmissor da doença, o que não está confirmado.

Barros afirmou que vai ser feita uma “força-tarefa” de captura de mosquitos, em especial nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia, para a pesquisa, que deve durar entre 45 e 60 dias.

“Nós esperamos ter todo o cuidado e cautela de averiguar as possibilidades para que possamos controlar os episódios de febre amarela no Brasil”, disse.

O diretor do instituto, Pedro Vasconcelos, disse que é a primeira vez que é encontrado o vírus da febre amarela no tigre asiático, que, segundo ele, é um mosquito que circula em meios rurais, silvestres e periurbanos.

O Ministério da Saúde mantém a informação de que não há confirmação de caso de febre amarela urbana no Brasil e de que não há registro de mosquitos Aedes aegypti infectados com o vírus da doença.

De acordo com o órgão, todos os casos registrados no Brasil são silvestres, ou seja, a doença foi transmitida em ambientes de mata por mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes.


Fonte: A Tarde